sábado, 27 de novembro de 2021
Início Curiosidades 02 de Abril: Dia Mundial da Conscientização do Autismo. Leitura Importante!

02 de Abril: Dia Mundial da Conscientização do Autismo. Leitura Importante!

No Mês de abril, se dá início ao Abril Azul, que visa à luta pelos que vivem com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). No dia de hoje é comemorado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo. A data foi estabelecida em 2007 e objetiva informar a população e assim, reduzir a discriminação e o preconceito.

Esses são uns dos grandes problemas enfrentados pelos autistas e suas famílias. Muitas pessoas não buscam orientação ou um entendimento maior sobre o que é o Autismo, mesmo sendo relativamente comum.

Por isso, continue a leitura e entenda o que é o autismo. Assim, saiba lidar corretamente com o transtorno.

O Autismo

O Autismo também é conhecido como Transtorno do Espectro Autista (TEA). As causas ainda são desconhecidas pela ciência. Mas, estudos indicam que possa ser o resultado da combinação de fatores genéticos, ocorrências durante a gestação e também, fatores externos. Além disso, algumas pesquisas recentes também apontam para alterações cerebrais.

Alguns dados

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a cada 160 crianças, uma tem o diagnóstico. Porém, há uma discrepância de dados ao tentar fazer uma estimativa de quantas crianças seriam autistas no país. Isso porque há uma dificuldade em se obter o diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Assim, existem instrumentos que auxiliam o diagnóstico, como a escala CARS (sigla em inglês para Escala de Avaliação de Autismo Infantil) e a entrevista ADI-R (sigla em inglês para Diagnóstico de Autismo Validado por Entrevista).

Mitos sobre o transtorno

Existem alguns mitos acerca do autismo, por exemplo, que não é possível obter melhora ao longo da vida e do tratamento, afirmar que é uma doença, visto que é um transtorno, dizer que o autista não tem afetividade e não gosta de outras pessoas.

É preciso que a sociedade compreenda a maneira própria de expressar que o autista possui.

Confira a seguir alguns mitos acerca do transtorno.

Autismo não é um problema psicológico

É errado dizer que o autismo é um problema psicológico. O transtorno se inicia durante a gravidez, entretanto, só é diagnosticado nos primeiros três anos da criança. Além disso, existem graus de autismo, que ainda não é possível identificar por diagnóstico laboratorial. Para descobrir o transtorno, é preciso observar.

Desse modo, estar atento ao comportamento da criança, que pode desenvolver problemas relacionados à linguagem, a interação social e comportamentos repetitivos.

Crianças autistas não vivem no seu próprio mundo

É afirmado erroneamente que essas crianças não são capazes de se comunicar e estão fechadas para si mesmas.

Mesmo que o transtorno faça com que elas desenvolvam problema de sociabilização, é possível que crianças e adultos com autismo vivam normalmente na sociedade. Além do mais, como já foi dito nesse artigo, existem graus específicos para cada tipo de autismo e todos são passíveis de tratamento.

A convivência entre crianças com e sem o TEA é feita de forma inclusiva e saudável.

Principais sintomas e como lidar

Os principais sintomas do autismo são a dificuldade de interação social, dificuldade de comunicação, com maior ou menor limitação seja na linguagem verbal e/ou não verbal, a forma literal de agir, comportamentos caracteristicamente estereotipados, repetitivos e com gama restrita de interesses.

Sendo assim, o grau de gravidade do transtorno irá variar desde pessoas que apresentam um quadro leve e com total independência e discretas dificuldades de adaptação, até aquelas que serão dependentes para as atividades de vida diárias, ao longo de toda a vida.

Após o diagnóstico

É necessário que os pacientes façam uma série de tratamentos e habilitação/reabilitação para estimulação das consequências que o autismo acarreta, como dificuldade no desenvolvimento da linguagem, interações sociais e capacidades funcionais.

Intervenção ainda precoce

Enfim, apesar de não haver cura, através de terapias, medicamentos e muito amor é possível proporcionar qualidade de vida para os pacientes e suas famílias.

Inegavelmente, é de suma importância a sensibilização das pessoas quanto à neurodiversidade, praticando a tolerância, flexibilidade e compaixão. Além disso, a informação pode ajudar a ter uma intervenção ainda mais precoce e fazer com que esse seja um processo mais natural.

O que você achou desse artigo? Compartilhe esse conteúdo para outras pessoas também se conscientizarem sobre esse assunto.

Fonte: Conexasaude.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Uruçuí recebe sinalização horizontal e vertical do Detran Piauí

O Detran-PI, através do PRO Piauí, está implantando sinalização horizontal e vertical nas principais ruas da zona urbana de Uruçuí, extremo sul do Estado....

Mulher morre após cirurgias plásticas no Piauí e filha da vítima denuncia médico

A empreendedora Benedita Mesquita Ramos Rocha, de 38 anos, morreu na última sexta-feira (24) em um hospital particular de Teresina após 21 dias da realização...

Vendas caem 80% e mercado de Teresina tem churrasco com 600 kg de peixe para orientar sobre doença da urina preta

Permissionários do Mercado do Peixe de Teresina realizaram um churrasco de peixes no local, nesta sexta-feira (24), com o objetivo de recuperar as vendas...

Perda de apetite após AVC abre uma nova porta no labirinto cerebral que regula a fome

Sistemas de controle da ingestão de alimentos são complexos, sem contar com uma única ‘alavanca’ neurológica que evitaria a superalimentação ou a anorexia

Recent Comments